O que é e como funciona a Black Friday

Sexta-feira negra: traduzindo ao pé da letra, é isso o que significa a Black Friday, dia em que o comércio varejista dedica para fazer promoções generosas aos clientes, visando acabar com o estoque de produtos disponível.

Agora, se você acha que tudo isso é feito por causa de algum espírito bondoso e altruísta que paira sobre as cabeças dos empresários, está muito enganado. Principalmente porque a regra básica de qualquer empresa é lucrar, não importa como.

Em segundo lugar, o conceito da Black Friday já morreu há muito tempo, pelo menos no Brasil ou no ambiente digital, onde muitos fazem uma semana e até um mês inteiro de descontos, para atrair e fidelizar clientes.

Mas como nenhuma dessas informações responde a pergunta que você certamente fez para chegar até aqui, saiba tudo sobre a Black Friday nas linhas a seguir!

O que ela é afinal

A Black Friday, conforme já falamos acima, é a “Sexta-Feira Negra”, dia em que o comércio varejista dedica para queimar todo o seu estoque de produtos.

Ele surgiu nos Estados Unidos, país que é o templo do consumismo, símbolo máximo do capitalismo e de tudo o que é possível fazer para gerar mais e mais dinheiro.

A ideia era vender as peças encalhadas nas lojas para que houvesse espaço para os produtos desenvolvidos e distribuídos aos varejistas especialmente para o Natal, que acontece exatamente um mês depois da Black Friday.

Com isso, os empresários poderiam fazer negócio nas duas frentes: evitariam perder com as peças não vendidas de seu mostruário pré-Natal, que dificilmente conseguiriam vender depois da chegada dos novos produtos da data festiva.

E ainda teriam um fôlego a mais para estipular os preços que quisessem nos produtos recém-chegados, apelando para a urgência que o Natal instiga, sem tanto receio assim de vender pouco, caso a estratégia não funcione plenamente.

E por quê ela é vantajosa ao público

Pelo mesmo motivo que faz com que ela seja uma ótima pedida aos varejistas: quem não quer aproveitar uma promoção? Nós, pelo menos, não conhecemos ninguém.

Poder comprar produtos que serão úteis em algum momento ou nos serão empurrados de forma agressiva na época do Natal, a preços muito maiores, por valores muito abaixo do normal, é uma tentação quase irresistível.

Ao menos nos Estados Unidos, onde surgiu a Black Friday, os consumidores literalmente lutam para comprar o que aparecer pela frente, porque sabem que a ocasião é única e só acontecerá novamente dali um ano.

Black Friday pode oferecer chances de adquirir produtos a bom preço

Black Friday pode oferecer chances de adquirir produtos a bom preço

Aqui no Brasil é igual?

Deveria ser, mas na prática, não é bem assim. As piadas, inclusive, para ironizar a “adaptação” que o comércio varejista brasileiro faz da Black Friday são inúmeras: Black Fraude é, provavelmente, a mais famosa. Ainda com slogan: “tudo pela metade do dobro”.

Infelizmente, é o que muitos fazem. Varejistas aproveitam o período em que cresce o interesse do público pelo seu comércio e, ao longo da semana da Black Friday, aumentam os preços dos produtos, para darem descontos mentirosos quando o dia derradeiro chegar.

Na verdade, não há desconto algum, pois no fim das contas é oferecido ao consumidor um valor igual ou até maior do que o que era cobrado nas semanas anteriores à promoção.

Quais delas merecem nossa confiança?

É preciso muita pesquisa e conversa em fóruns de discussão Internet afora para chegar a uma conclusão, mas se você é daqueles que não gosta nem de imaginar que perdeu uma promoção, o esforço pode valer a pena.

Produtos de menor valor agregado, aliás, tendem a ser apostas mais seguras. Livros, DVD’s e Bluray’s são alguns dos itens que podem ter seus preços medidos com facilidade para perceber se realmente estão com descontos da Black Friday, ou não.

Já eletrodomésticos, eletroeletrônicos e gadgets, como smartphones, demandam atenção redobrada, pois possuem preços maiores de qualquer maneira e a maquiagem tende a ser menos perceptível sem uma análise mais aprofundada.

Qual a melhor estratégia, então?

Caso você faça questão absoluta de fazer compras no final do ano, seja por causa da vontade de presentear alguém no Natal, ou para equipar sua casa, ou qualquer outro motivo, a saída talvez seja mesmo arriscar a Black Friday brasileira.

Ou ainda a norte-americana mesmo, recorrendo a sites estrangeiros para fazer as compras. O ônus neste caso é o frete dos produtos, que tornará o preço final maior do que comprando-os aqui no Brasil mesmo, ainda mais pelo fato de o dólar estar alto atualmente.

Também existe o risco do produto demorar demais para chegar ou ainda ficar preso na alfândega, te fazendo ir pessoalmente ao aeroporto retirar a mercadoria ou, na pior das hipóteses, ficar com o prejuízo de comprar algo e não levar para casa.

Se o seu perfil é mais conservador, uma boa estratégia pode ser aproveitar a Black Friday nas lojas físicas, munido de muita paciência para negociar com os vendedores.

Ou força e resistência para, literalmente, brigar pelos produtos que realmente estiverem baratos, com outros que pensaram igual a você.

Existe ainda uma terceira via, que é a menos comum: esperar passar a Black Friday e o Natal e fazer as compras apenas no começo do próximo ano, quando, de fato, as lojas dão bons descontos em seus produtos, para limpar o estoque encalhado do Natal.

Dúvidas? Pergunte!

Com Black Friday ou sem Black Friday, a verdade é que ter sagacidade para lidar com o comércio varejista nunca é demais, já que uma boa conversa pode fazer a negociação ficar muito boa para os dois lados.

Do ponto de vista econômico, há ainda a vantagem de a data colocar em evidência um dos setores que mais emprega e mantêm a saúde financeira de nosso país em dia.

Quanto mais geladeiras, por exemplo, a Black Friday vende, mais mão-de-obra é necessária nas fábricas para fazer mais geladeiras, mais gente recebe salário e compra geladeiras e assim sucessivamente.

Caso tenha ficado alguma dúvida sobre o conteúdo do texto ou tenha algum ponto que você gostaria que explorássemos mais, deixe sua observação nos comentários, no fim da página!


RSS por email

Deixe sua opinião “O que é e como funciona a Black Friday

Regras para comentar

Os comentários são moderados e não serão aceitos ou respondidos sem cumprir as regras abaixo:

  1. Leia o artigo e os comentários para saber se sua questão já não foi respondida.
  2. Não respondemos por nenhuma empresa, sendo assim, não enviamos propostas ou damos suporte.
  3. Não faça propaganda.
  4. Comentários mal escritos, com erros e deselegantes, não serão aceitos.
  5. Não divulgue seus dados pessoais, como documentos, telefone, endereço etc, pois eles estarão vulneráveis.