Mudanças no Financiamento de Imóveis Usados Pela CAIXA

Esse não é o melhor ano para comprar um imóvel financiado, alertavam os especialistas no início de 2015. E as previsões se mostraram corretas. Depois de anunciar o aumento nos juros  no crédito imobiliário em janeiro, agora a Caixa Econômica Federal, principal banco nesse ramo de financiamentos, mudou os limites de crédito disponibilizados. Com a mudança, a compra de imóveis usados se torna mais difícil, porque o comprador precisará desembolsar cerca de 50% do valor do imóvel na entrada. As alterações também atingem os imóveis novos, mas de forma um pouco menos impactante. Entenda o que mudou.

Redução no Teto de Financiamentos

Até o dia 4 de maio, o teto do financiamento imobiliário chegava a 80%, dependendo da modalidade de crédito. Porém, a captação de dinheiro com a poupança vem diminuindo, o que obrigou a instituição a fazer mudanças nas linhas de crédito que utilizam esse recurso. A modalidade, que costuma ser a mais procurada por quem quer financiar um imóvel pela CEF, passará por uma redução de 80% para 50% no Sistema Financeiro de Habitação (SFH) e de 70% para 40% nos financiamentos pelo Sistema Financeiro Imobiliário (SFI) ou pelo Sistema de Amortização Constante (SAC). Assim, a compra de móveis usadas se complica. O comprador precisará desembolsar um valor muito grande na entrada e quase ninguém tem esse montante disponível.

Mais Mudanças São Esperada

A CAIXA domina o mercado de financiamento imobiliário, sendo responsável por cerca de 70% dos contratos abertos atualmente. Porém, as mudanças no limite de financiamento devem fazer com que os compradores, num primeiro momento, busquem outros bancos. O problema é que outras instituições devem seguir a CEF. Vários bancos já informara que devem elevar os juros do financiamentos nos próximos meses e alterações no teto dos financiamentos também são esperadas. Por isso, quem pretende adquirir um imóvel deve fazer isso agora ou esperar que o mercado se assente. Com  a economia brasileira sob suspeita, a tendência é de incertezas durante todo o ano.

O Que Fazer Para Comprar um Imóvel?

Financiamento Imobiliário

Mudanças no financiamento imobiliário prejudicam quem pretende comprar um imóvel usado

Recentemente os meus pais “venderam” a casa onde eu morei a maior parte da minha vida. Porém, era preciso regularizar a documentação para que o financiamento fosse aprovado na CAIXA. O contrato foi assinado, o comprador pagou a entrada, mas os documentos demoraram um pouco para sair. Resultado: as mudanças promovidas pela Caixa Econômica fizeram com que o negócio se tornasse bastante problemática. O comprador não tem o dinheiro necessário para completar a entrada nem consegue aprovar o valor que havia sindo simulado antes. Com essa situação, eles me ligaram para perguntar o que pode ser feito. Pessoas com casos semelhantes devem procurar outros bancos para tentar negociar um bom financiamento.

Na compra de imóvel e R$500 mil com entrada de 20% e prazo de 360 meses para pagamento, os custos do financiamento nos principais bancos do Brasil ficam da seguinte forma:

  • Banco do Brasil – juros de 9,9% e CET de 11,31%;
  • Itaú – juros de 11,6% e CET de 13,24%;
  • Bradesco – juros de 9,6% e CET de 11,09%;
  • Santander – juros de 10,5% e CET de 11,48%.

Nessa simulação, como podemos notar, o Bradesco oferece as melhores condições. Porém, é fundamental que o comprador tente barganhar os juros para conseguir financiar o imóvel sem sofrer com o pagamento das parcelas. Pesquise e faça a melhor escolha para o seu bolso!


RSS por email

Deixe sua opinião “Mudanças no Financiamento de Imóveis Usados Pela CAIXA

Regras para comentar

Os comentários são moderados e não serão aceitos ou respondidos sem cumprir as regras abaixo:

  1. Leia o artigo e os comentários para saber se sua questão já não foi respondida.
  2. Não respondemos por nenhuma empresa, sendo assim, não enviamos propostas ou damos suporte.
  3. Não faça propaganda.
  4. Comentários mal escritos, com erros e deselegantes, não serão aceitos.
  5. Não divulgue seus dados pessoais, como documentos, telefone, endereço etc, pois eles estarão vulneráveis.