Com o avanço da tecnologia está cada vez mais fácil transferir dinheiro para contas no exterior. Assim como usar cartões internacionais para o pagamento das compras realizadas em outro país. Aplicativos e novas modalidades disponíveis pelas instituições financeiras oferecem cada vez mais versatilidade quando o assunto é a utilização do próprio dinheiro. Vale lembrar que as opções são variadas, mas que existem tarifas referentes a cada transação devido ao Imposto por Operação Financeira (IOF) e as taxas estipuladas por casa banco.

Como Levar Dinheiro para uma Viagem Internacional?

Tudo vai depender da quantia que se pretende levar. Normalmente o mais indicado é dividir o valor entre células de papel e cartões pré pago. Isso porque, para realizar o câmbio para essas possibilidades, o viajante efetuar o pagamento da taxa de transação + o IOF e pronto, estará livre de cobranças adicionais.

No caso da utilização de um cartão brasileiro na versão internacional, todas as compras podem sofrem cobrança de tarifas. Isso porque, o valor final da cobrança levará em consideração a cotação do dia em que a compra foi realizada + a tarifa referente a movimentação bancária que será determinada por cada instituição financeira. Podendo, ao final da viagem, resultar em susto por parte do viajante que desconhece aos cobranças.

Sempre que possível a melhor opção é sempre se organizar para a viajar, juntar dinheiro com antecedência e aguardar por uma boa cotação para trocar todo o dinheiro destinado à viagem e armazená-lo em um cartão magnético, pré pago, também conhecido como Visa Travel Money (VTM) .

O cartão que opera por meio da Mastercard, pode ser utilizado em qualquer estabelecimento que aceite a bandeira. O VTM também permite realizar saques em terminais 24 horas, assim como em casas de câmbio da mesma franquia em que foi solicitado o serviço. O cartão também pode ser utilizado para pagamentos de contas online. Fato é que essa modalidade permite que o valor desejado pelo cliente seja inserido no cartão. Entretanto, alguns passageiros realizam viagens de negócio e não querem contar com a tecnologia ou muito menos com a sorte na hora de realizar suas negociações.

Por isso, ainda tem muita gente que acredita que nesse caso, a melhor opção é utilizar o Traveler Cheque. Para que você entenda como ele funciona, vale a analogia com o cheque comum, que usamos em nosso dia a dia. O cheque de viagem é um papel adquirido pelo viajante em uma casa de câmbio. Quem o recebe pode trocá-lo por dinheiro vivo, assim como acontece com a folha de cheque. Assim, o turista precisa encontrar um estabelecimento no exterior que aceita o traveler cheque ou efetuar a troca em alguma instituição financeira fora do país.

Quais as Vantagens do Cheque de Viagem?

Traveler Cheque
Traveler Cheque: Segurança para suas Negociações no Exterior

O grande atrativo do travel cheque é a segurança que ele oferece. Ao invés de viajar portando grandes quantidades de dinheiro, o turista tem a possibilidade de levar somente o cheque de viagem. Por isso, essa forma de pagamento é indicada principalmente para quem vai fazer alguma negociação no exterior e não quer correr riscos com dinheiro vivo em mãos. Nesse caso, a pessoa terá tempo de procurar uma casa de câmbio com boa taxa de conversão para realizar a troca do cheque.

Entretanto, na maior parte das vezes, o traveler cheque é pouco recomendado, pois a maior parte dos estabelecimentos desconta uma porcentagem do valor para aceitar a forma de pagamento e a taxa de conversão em agência normalmente é desinteressante para o turista. Além disso, o governo federal aumentou recentemente o IOF para uso do cheque de viagem – de 0,38% para 6,38% – tornando o papel ainda menos vantajoso, devido ao alto custo.

Dessa forma, o cheque de viagem vem sendo cada vez menos usado, assim como o cheque comum. Isso acontece porque os cartões de crédito e os pré-pagos oferecem mais vantagens para os viajantes com a mesma segurança do travel cheque. Com essas opções de pagamento, o turista tem mais certeza da aceitabilidade no exterior, bem como a garantia de uma taxa de câmbio fixada. Na hora de viajar, vale a pena comparar os atrativos de ambas para escolher a melhor opção para você.